February 3, 2019

Please reload

Posts Recentes

OS DESAFIOS DO MERCADO DE TRABALHO PARA O RECÉM-FORMADO DE ENFERMAGEM

May 20, 2018

1/2
Please reload

Posts Em Destaque

RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM

Um dos caminhos que os estudantes de enfermagem podem seguir após o término do curso de graduação é o programa de residência em enfermagem. A residência em enfermagem é uma modalidade de especialização que tem como objetivo o treinamento em serviço com foco na articulação do conhecimento teórico e a ação do cuidado. Qualifica o profissional a partir de uma experiência, majoritariamente, prática e permite que o enfermeiro se especialize numa determinada área da enfermagem.

 

Para o estudante que sai da universidade e passa pelo processo seletivo de um programa de residência tem a possibilidade de inserção no campo do trabalho com maior segurança e a possibilidade de desenvolvimento profissional diferenciado. Tudo isso, porque o residente deve ter dedicação quase que exclusiva para o programa que exige 60 horas semanais, distribuídas em atividades teóricas e práticas. Tais atividades são desenvolvidas ao longo de dois anos, totalizando uma carga horária de 5.760 horas. A base salarial estipulada pelo Ministério da Educação está em torno de 3.200 reais, para o ano de 2018.

 

Ao finalizar o programa o enfermeiro recebe o título de especialista. Entretanto, cabe ressaltar que para o mercado de trabalho e a vida profissional a residência tem um valor muito maior do que qualquer curso de especialização. Isso se dá pela ampla carga horária de estudo e atividades práticas desenvolvidas durante os dois anos. Para o mercado de trabalho, o enfermeiro está mais bem preparado para as atividades de gerenciamento, trabalho interdisciplinar, cuidado, pesquisa e ensino.

 

A entrevista com a ex-residente, Amanda Oliveira Brito, que finalizou o programa de residência no final do ano passado, mostra um pouquinho sobre ser residente de enfermagem. Vamos conferir.

 

Como foi fazer a residência em enfermagem para você?

 

Bom, fazer a residência para mim foi uma experiência ímpar. Foi algo que se eu puder indicar para todos os recém-formados, eu indico. Não estou dizendo que experiências boas não possam acontecer com outras pessoas em outros lugares. Enfim, o que estou dizendo é que foram dois anos intensos demais. Eu tenho comigo que a experiência vivida não tem haver com o tempo, mas também com a intensidade que você vive, com as coisas que acontecem, pois são dois anos muito intensos. Às vezes dois anos de experiência num determinado local, é pouquíssimo, mas para mim dois anos de experiência na residência foram experiências enormes, experiências muito significativas.

Eu acredito que a residência é muito boa para recém-formados para entender como funciona uma dinâmica assistencial, para entender como funciona a questão de liderar uma equipe... Ir para a residência me deu muito autoconfiança, adquiri muito destreza manual. Então, aquilo que a gente fazia só no boneco ou nos estágios da faculdade que a gente fez uma ou duas vezes no máximo, lá a gente pratica várias e várias vezes... Eu descobri também a dificuldade de um ambiente de trabalho, em questão de lidar com pessoas, não só com técnicos e auxiliares de enfermagem, da qual você administra, mas também com a equipe multiprofissional... você tem uma noção muito boa de como é trabalhar em equipe... Você percebe que você tem que se tornar uma pessoa muito diferente do que você sai da faculdade. Outra coisa que a residência me trouxe é o pensamento crítico-reflexivo, aprendemos a pesquisar por si mesmo e responder nossos próprios questionamentos. Consequentemente, a gente aprende a buscar conhecimento em artigos científicos e avaliar a qualidade do conteúdo pesquisado.

 

Como ponto negativo, acredito que a carga horária é desumana, pois me privou do sono, do convívio familiar, do horário de lazer e, isso, prejudica até no aprendizado do residente. Vivi um estresse psicológico que interferiu na minha capacidade na tomada de decisão, inibiu muito minha motivação, mas acho que é uma coisa que devemos aprender a lidar para não sofrermos com as consequências. Outro ponto é que se caso você ficar doente e tiver que faltar, as horas perdidas deverão ser pagas para compor sua carga horária.

 

Gostou de saber um pouquinho sobre a residência? Despertou o interesse em seguir esse caminho? Se quiser saber mais sobre como se preparar para um programa com este, nos

 

envie suas dúvidas.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Arquivo
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© E-NURSING CURSOS PARA ENFERMAGEM - 2017